Voleibol: Regras, Competições e Histórico

VOLEIBOL

Regras

O voleibol é disputado por duas equipes de seis atletas, separadas por uma rede por cima da qual a bola deve passar na disputa dos pontos. Cada jogo é uma melhor de cinco sets. Os quatro primeiros vão a 25 pontos (a menos que haja empate em 24, quando a disputa é prorrogada até que um time abra vantagem de dois pontos) e o último vai a 15 (valendo a mesma regra em caso de empate em 14 pontos). Para conseguir um ponto, uma equipe tem que fazer com que a bola caia no campo adversário, dispondo de um máximo de três toques, além do contato do bloqueio. Atualmente, os atletas podem usar quaisquer partes do corpo para tocar na bola, mas não podem agarrá-la ou conduzi-la. Um jogador não pode dar dois toques consecutivos na bola, exceção feita apenas para a ação do bloqueio, Introdução ao objetivo: duas equipes de seis jogadores que se enfrentam utilizando as mãos para enviar a bola para o outro lado da rede, tendo as equipes como meta de impedir que a bola enviada pelo adversário bata no chão no lado da sua quadra, infligindo isso a seus adversários, não podendo, a partir do segundo toque da equipe, a realização de dois toques por um mesmo jogador (a bola bater primeiro em uma mão, depois em outra), tendo cada equipe apenas três toques para passar a bola para a quadra adversária, a quadra é um retângulo de 9 m de largura por 18m de comprimento, sendo traçada uma linha separando o retângulo em dois quadrados iguais de 9m e este separado por uma linha (de ataque) em duas figuras geométricas de tamanhos diferentes, a de 6 metros que delimita a área de defesa da equipe e a de 3m que delimita a área de ataque da equipe, a rede que é colocada para dividir os dois quadrados, tem que ser de 1m de largura, presa em dois postes distantes 9,5m um do outro e sua altura varia de 2,43m para os homens para 2,24m para as mulheres. As antenas são colacadas na rede na altura das linhas laterais da quadra, para marcar o limite do jogo acima da rede, perde o ponto a equipe que acertar esta antena após golpear a bola ;

Sistema Operacional

Estrutura

Ao contrário de muitos esportes, tais como o futebol ou o basquetebol, o voleibol é jogado por pontos, e não por tempo. Cada partida é dividida em sets que terminam quando uma das duas equipes conquista 25 pontos. Deve haver também uma diferença de no mínimo dois pontos com relação ao placar do adversário – caso contrário, a disputa prossegue até que tal diferença seja atingida. O vencedor será aquele que conquistar primeiramente três sets.

Como o jogo termina quando um time completa três sets vencidos, cada partida de voleibol dura no máximo cinco sets. Se isto ocorrer, o último recebe o nome de tie-break e termina quando um dos times atinge a marca de 15, e não 25 pontos. Como no caso dos demais, também é necessária uma diferença de dois pontos com relação ao placar do adversário.

Cada equipe é composta por doze jogadores, dos quais seis estão atuando na quadra e seis permanecem no banco na qualidade de reservas. As substituições são limitadas: cada técnico pode realizar no máximo seis por set, e cada jogador só pode ser substituído uma única vez, devendo necessariamente retornar à quadra para ocupar a posição daquele que tomara originalmente o seu lugar.

Os seis jogadores de cada equipe são dispostos na quadra do seguinte modo. No sentido do comprimento, três estão mais próximos da rede, e três mais próximos do fundo; e, no sentido da largura, dois estão mais próximos da lateral esquerda; dois , do centro da quadra; e dois, da lateral direita. Estas posições são identificadas por números: com o observador postado frente à rede, aquela que se localiza no fundo à direita recebe o número 1, e as outras seguem-se em ordem crescente conforme o sentido anti-horário.

O jogo

Posicionamento e rotação. No início de cada set, o jogador que ocupa a posição 1 realiza o saque, e, acerta a bola com a mão tencionando fazê-la atravessar o espaço aéreo delimitado pelas duas antenas e aterrissar na quadra adversária. Os oponentes devem então fazer a bola retornar tocando-a no máximo três vezes, e evitando que o mesmo jogador toque-a por duas vezes consecutivas.

O primeiro contato com a bola após o saque é denominado recepção ou passe, e seu objetivo primordial é evitar que ela atinja uma área válida do campo. Segue-se então usualmente o levantamento, que procura colocar a bola no ar de modo a permitir que um terceiro jogador realize o ataque, ou seja, acerte-a de forma a fazê-la aterrissar na quadra adversária, conquistando deste modo o ponto.

No momento em que o time adversário vai atacar, os jogadores que ocupam as posições 2, 3 e 4 podem saltar e estender os braços, numa tentativa de impedir ou dificultar a passagem da bola por sobre a rede. Este movimento é denominado bloqueio, e não é permitido para os outros três atletas que compõem o restante da equipe.

Em termos técnicos, os jogadores que ocupam as posições 10, 9 e 2 só podem acertar a bola acima da altura da rede em direção à quadra adversária se estiverem no “fundo” de sua própria quadra. Por esta razão, não só o bloqueio torna-se impossível, como restrições adicionais se aplicam ao ataque. Para atacar do fundo, o atleta deve saltar sem tocar com os pés na linha de três metros ou na área por ela delimitada; o contato posterior com a bola, contudo, pode ocorrer no espaço aéreo frontal.

Após o ataque adversário, o time procura interceptar a trajetória da bola com os braços ou com outras partes do corpo para evitar que ela aterrisse na quadra. Se obtém sucesso, diz-se que foi feita uma defesa, e seguem-se novos levantamento e ataque. O jogo continua até que uma das equipes cometa um erro ou consiga fazer a bola tocar o campo do lado oponente. Se o time que conquistou o ponto não foi o mesmo que havia sacado, os jogadores devem deslocar-se em sentido horário, passando a ocupar a próxima posição de número inferior à sua na quadra (ou a posição 3, no caso do atleta que ocupava a posição 4). Este movimento é denominado rodízio.

Líbero

O líbero é um atleta especializado nos fundamentos que são realizados com mais frequência no fundo da quadra, isto é, recepção e defesa. Esta função foi introduzida pela FIVB em 1998, com o propósito de permitir disputas mais longas de pontos e tornar o jogo deste modo mais atraente para o público. Um conjunto específico de regras se aplica exclusivamente a este jogador.

 

O líbero deve utilizar uniforme diferente dos demais, não pode ser capitão do time, nem atacar, bloquear ou sacar. Quando a bola não está em jogo, ele pode trocar de lugar com qualquer outro jogador sem notificação prévia aos árbitros, e suas substituições não contam para o limite que é concedido por set a cada técnico.

Por fim, o líbero só pode realizar levantamentos de toque do fundo da quadra. Caso esteja pisando sobre a linha de três metros ou sobre a área por ela delimitada, deverá exercitar somente levantamentos de manchete, pois se o fizer de toque por cima (pontas dos dedos) o ataque deverá ser executado com a bola abaixo do bordo superior da rede.

Pontos

Existem basicamente duas formas de marcar pontos no voleibol. A primeira consiste em fazer a bola aterrissar sobre a quadra adversária como resultado de um ataque, de um bloqueio bem sucedido ou, mais raramente, de um saque que não foi corretamente recebido. A segunda ocorre quando o time adversário comete um erro ou uma falta.

 Diversas situações são consideradas erros:

 A bola toca em qualquer lugar exceto em um dos doze atletas que estão em quadra, ou no campo válido de jogo (“bola fora”).

O jogador toca consecutivamente duas vezes na bola (“dois toques”).

O jogador empurra a bola, ao invés de acertá-la. Este movimento é denominado “carregar ou condução”.

A bola é tocada mais de três vezes antes de retornar para o campo adversário.

A bola toca a antena, ou passa sobre ou por fora da antena em direção à quadra adversária.

O jogador encosta na rede com qualquer parte do corpo exceto os cabelos.

Um jogador que está no fundo da quadra realiza um bloqueio.

Um jogador que está no fundo da quadra pisa na linha de três metros ou na área frontal antes de fazer contato com a bola acima do bordo superior da rede (“invasão do fundo”).

Postado dentro da zona de ataque da quadra ou tocando a linha de três metros, o líbero realiza um levantamento de toque que é posteriormente atacado acima da altura da rede.

O jogador bloqueia o saque adversário.

O jogador está fora de posição no momento do saque.

O jogador saca quando não está na posição 1.

O jogador toca a bola no espaço aéreo acima da quadra adversária em uma situação que não se configura como um bloqueio (“invasão por cima”).

O jogador toca a quadra adversária por baixo da rede com qualquer parte do corpo exceto as mãos ou os pés (“invasão por baixo”).

O jogador leva mais de oito segundos para sacar

No momento do saque, o jogador pisa na linha de fundo ou na quadra antes de fazer contato com a bola

No momento do saque, os jogadores que estão na rede pulam e/ou erguem os braços, com o intuito de esconder a trajetória da bola dos adversários. Esta falta é denominada screening

Os “dois toques” são permitidos no primeiro contato do time com a bola, desde que ocorram em uma “ação simultânea” – a interpretação do que é ou não “simultâneo” fica a cargo do arbitro.

A não ser no bloqueio. O toque da bola no bloqueio não é contabilizado.

A invasão por baixo de mãos e pés é permitida apenas se uma parte dos membros permanecer em contato com a linha central.

 

Fundamentos

Um time que deseja competir em nível internacional precisa dominar um conjunto de seis habilidades básicas, denominadas usualmente sob a rubrica “fundamentos”. Elas são: saque, passe, levantamento, ataque, bloqueio e defesa. A cada um destes fundamentos compreende um certo número de habilidades e técnicas que foram introduzidas ao longo da história do voleibol e são hoje consideradas prática comum no esporte.

Saque ou serviço

Jogador preparando-se para sacar. O saque ou serviço marca o início de uma disputa de pontos no voleibol. Um jogador posta-se atrás da linha de fundo de sua quadra, estende o braço e acerta a bola, de forma a fazê-la atravessar o espaço aéreo acima da rede delimitado pelas antenas e aterrissar na quadra adversária. Seu principal objetivo consiste em dificultar a recepção de seu oponente controlando a aceleração e a trajetória da bola.

Um saque que a bola aterrissa diretamente sobre a quadra do adversário sem ser tocada pelo adversário – é denominado em voleibol “ace”, assim como em outros esportes tais como o tênis.

No voleibol contemporâneo, foram desenvolvidos muitos tipos diferentes de saques:

Saque por baixo ou por cima

Indica a forma como o saque é realizado, ou seja, se o jogador acerta a bola por baixo, no nível da cintura, ou primeiro lança-a no ar para depois acertá-la acima do nível do ombro. A recepção do saque por baixo é usualmente considerada muito fácil, e por esta razão esta técnica não é mais utilizada em competições de alto nível.

Jornada nas estrelas

Um tipo específico de saque por baixo, em que a bola é acertada de forma a atingir grandes alturas (em torno 25 metros). O aumento no raio da parábola descrito pela trajetória faz com que a bola desça quase em linha reta, e em velocidades da ordem de 70km/h. Popularizado na década de 1980 pela equipe brasileira, especialmente pelo ex-jogador Bernard Rajzman, ele hoje é considerado ultrapassado, e já não é mais empregado em competições internacionais.

Saque com efeito

Denominado em inglês “spin serve”, trata-se de um saque em que a bola ganha velocidade ao longo da trajetória, ao invés de perdê-la, graças a um efeito produzido dobrando-se o pulso no momento do contato.

Saque flutuante ou saque sem peso

Saque em que a bola é tocada apenas de leve no momento de contato, o que faz com que ela perca velocidade repentinamente e sua trajetória se torne imprevisível.

Viagem ao fundo do mar

Saque em que o jogador lança a bola, faz a aproximação em passadas como no momento do ataque, e acerta-a com força em direção à quadra adversária. Supõe-se que este saque já existisse desde a década de 1960, e tenha chegado ao Brasil pelas mãos do jogador Feitosa. De todo modo, ele só se tornou popular a partir da segunda metade dos anos 80.

Saque oriental

O jogador posta-se na linha de fundo de perfil para a quadra, lança a bola no ar e acerta-a com um movimento circular do braço oposto. O nome deste saque provém do fato de que seu uso contemporâneo restringe-se a algumas equipes de voleibol feminino da Ásia.

 

Passe

Passe realizado com manchete. Também chamado recepção, o passe é o primeiro contato com a bola por parte do time que não está sacando e consiste, em última análise, em tentativa de evitar que a bola toque a sua quadra, o que permitiria que o adversário marcasse um ponto. Além disso, o principal objetivo deste fundamento é controlar a bola de forma a fazê-la chegar rapidamente e em boas condições nas mãos do levantador, para que este seja capaz de preparar uma jogada ofensiva.

 O fundamento passe envolve basicamente duas técnicas específicas: a “manchete“, em que o jogador empurra a bola com a parte interna dos braços esticados, usualmente com as pernas flexionadas e abaixo da linha da cintura; e o “toque por cima“, em que a bola é manipulada com as pontas dos dedos acima da cabeça.

Quando, por uma falha de passe, a bola não permanece na quadra do jogador que está na recepção, mas atravessa por cima da rede em direção à quadra da equipe adversária, diz-se que esta recebeu uma “bola de graça”.

Manchete

É uma técnica de recepção realizada com as mãos unidas e os braços um pouco separados e estendidos, o movimento da manchete tem início nas pernas e é realizado de baixo para cima numa posição mais ou menos cômoda, é importante que a perna seja flexionada na hora do movimento, garantindo maior precisão e comodidade no movimento. Ela é usada em bolas que vem em baixa altura, e que não tem chance de ser devolvida com o toque.

É considerada um dos fundamentos da defesa, sendo o tipo de defesa do saque e de cortadas mais usado no jogo de voleibol. É uma das técnicas essenciais para o líbero mas também é empregada por alguns levantadores para uma melhor colocação da bola para o atacante.

Levantamento

O levantamento é normalmente o segundo contato de um time com a bola. Seu principal objetivo consiste em posicioná-la de forma a permitir uma ação ofensiva por parte da equipe, ou seja, um ataque.

 A exemplo do passe, pode-se distinguir o levantamento pela forma como o jogador executa o movimento, ou seja, como “levantamento de toque” e “levantamento de manchete”. Como o primeiro usualmente permite um controle maior, o segundo só é utilizado quando o passe está tão baixo que não permite manipular a bola com as pontas dos dedos, ou no voleibol de praia, em que as regras são mais restritas no que diz respeito à infração de “carregar”.

Também costuma-se utilizar o termo “levantamento de costas”, em referência à situação em que a bola é lançada na direção oposta àquela para a qual o levantador está olhando.

Quando o jogador não levanta a bola para ser atacada por um de seus companheiros de equipe, mas decide lançá-la diretamente em direção à quadra adversária numa tentativa de conquistar o ponto rapidamente, diz-se que esta é uma “bola de segunda”.

Ataque

 Jogador atacando. O ataque é, em geral, o terceiro contato de um time com a bola. O objetivo deste fundamento é fazer a bola aterrissar na quadra adversária, conquistando deste modo o ponto em disputa. Para realizar o ataque, o jogador dá uma série de passos contados (“passada”), salta e então projeta seu corpo para a frente, transferindo deste modo seu peso para a bola no momento do contato.

O voleibol contemporâneo envolve diversas técnicas individuais de ataque:

Ataque do fundo

Ataque realizado por um jogador que não se encontra na rede, ou seja, por um jogador que não ocupa as posições 2-4. O atacante não pode pisar na linha de três metros ou na parte frontal da quadra antes de tocar a bola, embora seja permitido que ele aterrisse nesta área após o ataque.

Diagonal ou Paralela

Indica a direção da trajetória da bola no ataque, em relação às linhas laterais da quadra. Uma diagonal de ângulo bastante pronunciado, com a bola aterrissando na zona frontal da quadra adversária, é denominada “diagonal curta”.

Cortada ou Remate

Refere-se a um ataque em que a bola é acertada com força, com o objetivo de fazê-la aterrizar o mais rápido possível na quadra adversária. Uma cortada pode atingir velocidades de aproximadamente 200km/h.

Largada

Refere-se a um ataque em que jogador não acerta a bola com força, mas antes toca-a levemente, procurando direcioná-la para uma região da quadra adversária que não esteja bem coberta pela defesa.

Explorar o bloqueio

Refere-se a um ataque em que o jogador não pretende fazer a bola tocar a quadra adversária, mas antes atingir com ela o bloqueio oponente de modo a que ela, posteriormente, aterisse em uma área fora de jogo.

Ataque sem força

O jogador acerta a bola mas reduz a força e conseqüentemente sua aceleração, numa tentativa de confundir a defesa adversária.

Bola de xeque: refere-se à cortada realizada por um dos jogadores que está na rede quando a equipe recebe uma “bola de graça” (ver passe, acima).

 Bloqueio

 Bloqueio triplo

 O bloqueio refere-se às ações executadas pelos jogadores que ocupam a parte frontal da quadra (posições 2-3-4) e que têm por objetivo impedir ou dificultar o ataque da equipe adversária. Elas consistem, em geral, em estender os braços acima do nível da rede com o propósito de interceptar a trajetória ou diminuir a velocidade de uma bola que foi cortada pelo oponente.

Denomina-se “bloqueio ofensivo” à situação em que os jogadores têm por objetivo interceptar completamente o ataque, fazendo a bola permanecer na quadra adversária. Para isto, é necessário saltar, estender os braços para dentro do espaço aéreo acima da quadra adversária e manter as mãos viradas em torno de 45-60° em direção ao punho. Um bloqueio ofensivo especialmente bem executado, em que bola é direcionada diretamente para baixo em uma trajetória praticamente ortogonal em relação ao solo, é denominado “toco”.

 

Um bloqueio é chamado, entretanto, “defensivo” se tem por objetivo apenas tocar a bola e deste modo diminuir a sua velocidade, de modo a que ela possa ser melhor defendida pelos jogadores que se situam no fundo da quadra. Para a execução do bloqueio defensivo, o jogador reduz o ângulo de penetração dos braços na quadra adversária, e procura manter as palmas das mãos voltadas em direção à sua própria quadra.

 O bloqueio também é classificado, de acordo com o número de jogadores envolvidos, em “simples”, “duplo” e “triplo”.

 

Defesa

A defesa consiste em um conjunto de técnicas que têm por objetivo evitar que a bola toque a quadra após o ataque adversário. Além da manchete e do toque, já discutidos nas seções relacionadas ao passe e ao levantamento, algumas das ações específicas que se aplicam a este fundamento são

Peixinho

O jogador atira-se no ar, como se estivesse mergulhando, para interceptar uma bola, e termina o movimento sob o próprio abdômen.

Rolamento

O jogador rola lateralmente sobre o próprio corpo após ter feito contato com a bola. Esta técnica é utilizada, especialmente, para minimizar a possibilidade de contusões após a queda que é resultado da força com que uma bola fora cortada pelo adversário.

Martelo

O jogador acerta a bola com as duas mãos fechadas sobre si mesmas, como numa oração. Este técnica é empregada, especialmente, para interceptar a trajetória de bolas que se encontram a uma altura que não permite o emprego da manchete, mas para as quais o uso do toque não é adequado, pois a velocidade é grande demais para a correta manipulação com as pontas dos dedos

Sistemas Ofensivos

6×0 ou 6×6, 5×1, 6×2,4×2

Regulamento

Competições

Organizadas pela federação internacional (FIVB), as principais competições de voleibol são torneios internacionais que podem ser divididos em dois grupos: grandes eventos que ocorrem em ciclos de quatro anos e eventos anuais, criados a partir da década de 90. De menor importância, mas igualmente tradicionais, são os torneios organizados por cada uma das cinco grandes confederações continentais.

Por fim, diversas federações possuem torneios e ligas nacionais, que ganham em prestígio de acordo com o volume de capital investido e a qualidade dos atletas envolvidos.

Entre as principais competições de voleibol, destacam-se:

Internacionais

Torneio Olímpico de Voleibol: a cada quatro anos, desde 1964

Campeonato Mundial de Voleibol: a cada quatro anos, desde 1949 (homens) e 1952 (mulheres)

Copa do Mundo: a cada quatro anos, desde 1965 (homens) e 1973 ( mulheres)

Liga Mundial: anualmente, desde 1990

Grand Prix: anualmente, desde 1993

Copa dos Campeões de Voleibol: a cada quatro anos, desde 1993

Nacionais

Superliga (Brasil)

Liga Nacional de Vôlei (Mundo)

liga feminina de volei (chile);

 

Histórico
O voleibol nasceu quatro anos depois da invenção do basquete. William George Morgan, deixou de ajudar seu pai no estaleiro em Lockport, NY, saiu de casa para se aventurar em uma navegação fluvial nos grandes lagos. Inscreveu-se na Escola Preparatória de Mount Hermon, pela qual estava defendendo em um jogo de futebol americano, onde conheceu o técnico assistente da ACM de Springfield, James Naismith, criador do basquete, que foi quem incentivou Morgan a ingressar na Escola para Trabalhadores Cristãos da ACM de Springfield em 1894, atual Springfield College,  sendo transferido no mesmo ano para a cidade de Auburn, Maine. Um ano depois, Morgan muda-se para Holioke, Massachusetts onde assume o cargo de diretor do Departamento de Atividades Físicas da ACM local. O pastor Lawrence Rinder pede a Morgan para idealizar um jogo com menor vigor físico que o Basquete e mais recreativo que a ginástica calistênica – exercício ginástico para beleza e vigor físicos – praticada pelos associados de meia idade.
    Morgan aceita o desafio, começando a elaborar um novo jogo, sem imaginar que estava idealizando um futuro esporte olímpico, que passaria a ser praticado em todos os cantos da terra.
    Morgan baseou-se no basquete e no tênis, este último um sendo um segundo esporte bastante praticado pelos estadunidenses, apresentando, no inverno de 1895, um jogo de rebatidas denominado primeiramente de minonette (também citado o nome de mintonette, tendo os dois nomes nenhum significado no idioma inglês). Do tênis, Morgan pegou a rede, elevando-a a aproximadamente 1,98m (um pouco acima da cabeça de um homem de estatura mediana), do basquete Morgan tirou a câmara da bola para utilizar no novo jogo, e elaborou dez regras básicas.
    Após a apresentação do novo jogo aos alunos da ACM de Holioke, o Minonette foi bem aceito e, após as primeiras exibições, os praticantes ofereceram algumas sugestões de mudanças. A primeira mudança foi a substituição da camâra da bola de basquete, por seu pouco peso, o que tornava o jogo mais lento, Morgan então tentou usar a própria bola de basquete, mas a considerou muito pesada. Sendo assim, pediu à empresa A. G. Spalding & Brothers a fabricação de uma bola especial para o jogo, com massa intermediária. Após vários testes chegaram ao modelo de bola semelhante ao atual.
    Um ano depois, em 1896, o professor Morgan é convidado pelo diretor da Escola de Trabalhadores Cristãos da ACM de Springfield, Dr. Luther H. Gullick, para demonstrar o jogo na Conferência dos Diretores dos Departamentos de Atividades Físicas das ACMs da região de Springfield. Morgan, então, viaja com dez voluntários divididos em dois times de cinco e capitâneados por J. J. Curran e John Lynch, respectivamente prefeito e chefe dos bombeiros de Holioke.
    A apresentação do jogo, tornou-se a sensação da conferência e despertou discussões entusiasmadas. O diretor da Escola, Dr. Gullick, foi quem sugeriu a mudança do nome do novo jogo, sendo aceitada posteriormente o nome idealizado pelo Dr. A. T. Halstead, docente da Escola de Gullick: o nome sugerido e aceito foi o volleyball, pelo fato de a bola permanecer em constante voleio, sobre a rede. Sendo o jogo a partir desse dia, difundido como esporte pelas ACMs vizinhas. As de Springfield e Nova Inglaterra, introduziram o esporte nos seus respectivos programas de atividades físicas, como um novo e interessante jogo recreativo.
    Enquanto o esporte era difundido, Morgan passou a concentrar-se nas habilidades técnicas e capacidades físicas envolvidas no jogo, deixando o aperfeiçoamento das regras a critério dos membros da ACM. Tendo maior contribuição nesse período de Frank Wood e John Lynch.
    Em 1947 foi fundada a FIVB. Dois anos mais tarde, foi realizado o primeiro Campeonato Mundial da modalidade, apenas para homens; em 1952, o evento foi estendido também ao voleibol feminino. Em 1964 o voleibol passou a fazer parte do programa dos Jogos Olímpicos, tendo-se mantido até a atualidade.

Recentemente, o voleibol de praia, uma modalidade derivada do voleibol, tem obtido grande sucesso em diversos países, nomeadamente no Brasil e nos EUA.

Nos esportes coletivos, a primeira medalha de ouro olímpica conquistada por um país lusófono foi obtida pela equipe masculina de vôlei do Brasil nos Jogos de 1992. A proeza se repetiu nos Jogos Olímpicos de Verão de 2004. Nos Jogos Olímpicos de Verão de 2008 foi a vez da seleção brasileira feminina ganhar a sua primeira medalha de ouro em Olimpíadas.

About these ads

57 Respostas to “Voleibol: Regras, Competições e Histórico”

  1. sabrina Says:

    achei o máximo pois achei o que proucurava!

  2. VITORIA Says:

    DSD

  3. Fernanda Says:

    goosteei muito ajudoou naa miinha peesquisaa soobree o vooleibol

  4. Caio Lima Says:

    Cara de pau …!
    pegou tudo do Wikipedia e colou aí.
    Fonte de pesquisa q não é sua !!!
    mto orignal professor .!

    • drausiopinto Says:

      vc tem razão deixa soh eu ter um tempo para eu resumir, eu coloquei assim, pois queria que meus alunos tivessem mais esta fonte de pesquisa para ajuda-los a pesquisar o que eles estao tendo de matéria no momento, mas pode deixar que colocarei mais resumido.

      vlw pelo comentario.

  5. erika Says:

    eu adoeri esse sit,e a pesquisa que fiz aqui me ajudou muito pois tirei dez!

  6. carlene Says:

    é muito ótimofalar sobre o volei

  7. joyce Says:

    ai queria muito jogar voleibol é o espote q mais gosto
    pra mim é é mais q um esporte
    quando jogo eu jogo eu me sinto como se tivesse saboreando uma pizza

  8. ketellim Says:

    melhor esporte pra mim de todos os tempos….
    UuUUuhHhll

  9. Guilherme Says:

    Gostei muito desse site apeser de eu so copiar os erros me ajudo d+ no meu trabalho de educaçao fisica

    VLW

  10. Caroline Silva Souza Says:

    Uma idéia muito boa!
    É bom pr os alunos que precisam de ajuda em algum trabalho sobre Vôleibol.
    Eu adorei!
    BJÃOOOOOOOO!!!!♥♥♥

  11. Carla Says:

    brigada vcs na pesquisa sobre as regras do voleibol!!!!!!!!!!!
    BRIGADÃO

  12. Carla Says:

    VALEU VCS ME AJUDARAM MTO ……………….

  13. juliane bitencourtt Says:

    ajudou no meu trabalho

  14. isabella Says:

    muito legal, pena que não consegui o que queria. se souber algo sobre a história das regras, como elas mudaram desde a criação do esporte ou coisas assim, por favoor, me ajude. mande para o meu e-mail, valeu *:

  15. da Says:

    ehhh tenque melhora maissssssssssss

  16. maa ♥ Says:

    Ameei esse sitee .. !!

    Vou tiirar uum 10 ..

    Muitoo OBRIGADAA ..

  17. João Paulo Santasofia Says:

    Olá Drausio,
    Sou Árbiro de Volleyball nos EUA, e se necessitar de alguam informação, estarei a sua disposição.

    • drausiopinto Says:

      Legal Joao Paulo, vou precisar sim, alias se voce souber bastante coisa sobre rodizio, é a duvida maior que eu tenho, rodizio 5×1 e 4×2, o que pode e o que nao pode.

  18. ygor Says:

    achei o mximo pois escrevi tudo o que eu presisava

    • drausiopinto Says:

      A ideia deste blog é exatamente essa Ygor, ajudar os alunos que precisam de nota na disciplina educacao fisica. Eh soh não fazer o famoso control c, control v.

  19. Daniela Santana de Brito Says:

    nao tinha um texto menorzinho nao

  20. nídia Says:

    são totós

  21. kamylla Says:

    aki ñ tem nada q eu queroo

  22. inae Says:

    obrigado e uma boa ideia para os aluno pesquisa

  23. inae Says:

    obrigado esa ideia e muito boa para pesquisa♥♥♥

  24. eemily Says:

    n eu gosteii muitoo desse texto, parabéns a todos vocês que conduziram na internet, eu fiz um trabalho sobre o historico e as regras do vôlei, eu
    tttirei nota 10.0, obrigadoooooooooooooo!
    ttchauuuuuuuuuuuuuuu….

  25. heitor Says:

    nao achei

  26. emilay Says:

    eu adorei esse texto e bom mais ñ me deu a resposta que eu queria mais ta bom,essa e a resposta de alguns mas ñ a minha tabom valeu mais eu adorei BEJÃOOOOOOOOOOOOOOOOOO.
    THAUUUUUU

  27. Bi@ Says:

    po, ta enorme essa resposta(mas ta maneiro)

  28. Bi@ Says:

    valeu, só diminui essa resposta.
    também tenho um blog(eu e meus amigos) segue lá: http://www.mbapluss.blogspot.com PLIS.

  29. aline Says:

    oi professor valeu por ter me ajudado e muito bom esse blog xau professor.

  30. sabrina Says:

    euuuuuuuuuuu adoreiiiiiiiiiiiiii

  31. laisla Says:

    podia ser mais resumido e é muito chato

  32. ingrid gatinha Says:

    muito obrigado me ajudou muito mesmo viu!!!!!!!!!!!!!!!111

  33. Girlaine santos Says:

    Euu jogoo volei soou levantado e adorei esse site

  34. khaoana Says:

    essa pesquisa me ajudou muito
    eu estava precisando
    vc deve ser um professor muito exemplar
    muito obrigado

  35. barbara daniel dias Says:

    oi

  36. andreza Says:

    Vlw ajudou muito o Trabalho que eu iria fazer Obrigado bj

  37. andreza Says:

    vlw me ajudou muito viu..bjão

  38. leticia da silva Says:

    muuuuuito interesante .adoro o voleibol

  39. Os números de 2010 « Blog do Professor Drausio Says:

    [...] O seu dia mais activo do ano foi 10 de novembro com 114 visitas. O artigo mais popular desse dia foi Voleibol: Regras, Competições e Histórico. [...]

  40. LOLA Says:

    AMEEI VOU TIRAR 4,0!!!

    • drausiopinto Says:

      Boa Tarde Lola, obrigado por acessar e comentar no meu blog sobre volei, e espero que 4,0 seja a nota máxima da sua prova.

      saudacoes olimpicas

  41. ZANJAWANDERLEY@HOTMAIL.COM Says:

    POXA, MUITO BOM CRIAR ESSE BLOG EU PRECISO MESMO PARA O TRABALHO DA ESCOLA E PARA O MEU CONHECIMENTO SOBRE O ESPORTE PARABENS.

  42. manuela Says:

    gostei me ajudou a fazer o trabaho da escola

  43. vanessa Says:

    sera que esse site vai me ajudar?

    • drausiopinto Says:

      Cara Vanessa

      Espero que ajude este site ajude, eu o criei para ajudar os alunos a tirarem boas notas em educação física, mas é para carater de pesquisa, não vale copiar tudo o que tem aqui e entregar, hein.

      Saudações Olímpicas

  44. eduardo Says:

    achei o máximo pois achei o que proucurava!

  45. carolyne Says:

    ameeei,tipo assim acho que vou tirar um dez. Parabéns pelo site.

  46. ♥♥£uciana♥♥ Says:

    Adorei o site e espero que tira 5,0 no meu trabalho.

  47. Evellyn Micaela Says:

    professor na proxima vez vc resume um pouquinho tah vlw boa noite!!!!!!

  48. David Says:

    Gsotei Muito Do Site Me Ajudou Muito No Meu Trabalho Da Escola

  49. David Says:

    *Gostei*

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: